ÁLBUN DE CANÇÕES DE ENRICO CARUSO



ENRICO CARUSO

Italiano

Enrico Caruso
Nato a Nápoles nel Febbraio 25, 1873 ed
morì anche a Nápoles il Agosto 2, 1921.
È stato considerato dalla critica il più
grande interprete della musica classica
di tutti i tempi.


Português

Enrico Caruso
Nasceu em Nápoles a 25 de fevereiro de 1873 e
morreu também em Nápoles em 2 de agosto de 1921.
Foi considerado pela crítica o
maior intérprete da música erudita
de todos os tempos.



ADDIO A NAPOLI
Teodoro Coltrau
Interprete: ENRICO CARUSO

Italiano

Addio mia bella Nápoles,
Addio, addio
La tua soave immagine
Chi mai chi mai scordar potrò

Del ciel l'azzurro fulgido
La placida marina
Qual core lo rinebria
Ardea ardea di voluttà

Il ciel, la terra e l'aura
Favellano l'amore
E sola al mio dolore
Dal porto io sognerò, sì
Io sognerò

Addio mia bella Nápoles,
Addio, addio
Addio care memorie
Del tempo che passò

Tutt'altro ciel mi chiama,
Addio, addio
Ma questo cor ti brama
E il cor e il cor ti lascerò

Di baci e d'armonia
È l'aura tua... riviera
Oh magica sirena
Fedèl fedéle a te sarò

Al mio pensier più tenero
Ritornano gli istanti
Le gioie e le memorie
Dei miei felici dì,
I miei felizes di.

Addio mia bella Nápoles,
Addio, addio
Addio care memorie
Del tempo che passò

Addio mia bella Nápoles,
Addio, addio
Addio care memorie
Del tempo... che passò


ADEUS A NÁPOLES
Teodoro Coltrau
Interprete: ENRICO CARUSO

Português

Adeus minha bela Nápoles
Adeus, Adeus
A tua suave Imagem
que nunca, que nunca, esquecer poderei

Do céu o azul fúlgido
a gentil beira-mar
a qual o coração embriaga
ardente ardente de vontade

O céu, a terra e a aura
Falam-nos o amor
E só, com minha dor
do porto eu sonharei, sim
eu sonharei

Adeus minha bela Nápoles
Adeus, adeus
Adeus queridas memórias
Do tempo que passou

Todo outro céu me chama
Adeus, adeus
Mas este coração a ti brama
E o coração e o coração te deixarei

Dos beijos e da harmonia
É a aura tua, Riviera
Oh mágica sereia
Fiel devoto a ti serei

Aos meus pensamentos mais leves
Retornam os momentos
As felicidades e as memórias
Dos meus felizes dias
Os meus felizes dias.

Adeus minha bela Nápoles
Adeus, adeus
Adeus queridas memórias
Do tempo que passou.

Adeus minha bela Nápoles
Adeus, adeus
Adeus queridas memórias
Do tempo ... Que passou.



CANTA PE´ ME
Libero Bovio e Ernesto Curtis
Interprete: ENRICO CARUSO

Dialeto napolitano

Canta pe' mme, stanotte, na canzona,
tu ca si'e bella e tiene 'a voce d'oro.
Canta pe' mme, stanotte, pecchè si moro,
moro sentenno na bella canzone.

Canta na serenata 'e marenare
ch''a tantu tiempo nun se canta cchiù.
Mare! Stanotte, quanta varche a mare!
Ma tu nun canta? Ma a che pienze tu?

Percché tu chiagne si 'a nuttata è bella,
e si' figliola, e tiene 'a voce d'oro?
Canta pe' mme, pe' mme ca' mme ne moro,
moro sentenno na canzona bella.

Canta, luntana mia, ca' si' turnata,
ca' si' turnata e nun te ne puó' ghí.
Canta, pecché te tengo 'ncatenata,
pecché tu sola mm'hê 'a vedé murí!


CANTA P´RA MIM
Libero Bovio e Ernesto de Curtis
Interprete: ENRICO CARUSO

Português

Canta pra mim, esta noite, uma canção,
tu que és bela e tens a voz de ouro.
Canta pra mim, esta noite, porque se morro,
morro ouvindo uma bela canção.

Canta uma serenata de marinheiros
que há tanto tempo, não se canta mais.
Mar! Esta noite, quantos barcos no mar!
Mas tu não cantas? Mas o que pensas tú?

Porque tu choras se a noitada é bela,
e és garota, e tens uma voz de ouro?
Canta pra mim, pra mim que morro,
morro ouvindo uma canção bela.

Canta, distante minha, que tens voltado,
que voltaste e não podes ir embora.
Canta, porque te tenho acorrentada,
porque somente tu deves ver-me morrer!



FENESTE CHE LUCIVE
(Aproximadamente 1.500)
Letra: Autor (provável) Vincenzo Vernagallo
Musica: (Provavelmente) Rossini ou Bellini
Interprete: ENRICO CARUSO (Gravado em 1913)

Italiano

Racconta si che questo testo tragga
le sue antiche origini nel cinquecento,
in Sicilia, quando nella città di
Carini il duca di questo posto, tal
Vincenzo De Grua Talamanca, uccise
con due colpi la figlia.

Il suo innamorato, tale Vincenzo
Vernagallo, non la trovò e
cantò in siciliano i versi che
poi non si sa come arrivarono
a Nápoles e furono trascritti
e reinterpretati in una "foglio
volante", estampate dalle
piccole tipografie.

Tuttavia,
il testo della canzone
sembra più un padre piangendo la
figlia che si ammalò e morì, mentre
lui era ausente.

La musica, in alcune tesi, è
accreditata a Rossini o a Bellini
per la caracterìstici de la melodia.

VOCABOLARIO (Napolitano / Italiano)
Nenna: Bambina;
Forma di affetto,
applicato ai bambini e anche gli
adulti.
Alcuni studiosi de la lengua
napolitana ritengono che il
termine si applica a un amante.
La seconda strofa, in cui si
afferma che Nenna piangeva
quando dormiva sola,suggerisce
che questo era una bambina.
Nennella: bambinina.
Affacciare: Mirar,
Guardare, faccia a faccia;
Atterrata: Seppellita
Lampa: Lume funerario
Nzerrata: Chiusa
Tavuto: Bara
Escono: Escomio: desdetta
Assaje: molto

Dialeto napolitano

Fenesta che lucive e mo nun luce,
Sign'e' ca nenna mia stace amalata?
S'affaccia la surella e ma lu dice?
"Nennella toja e' morta e atterrata

"Chiagneva sempe ca durmeva sola;"
"ma dorma co li muort'accompagnata!"

"Chiagneva sempe ca durmeva sola;"
"mo dorma co li muort'accompagnata!"

Addio, fenesta; restate nzerrata,
Ca nenna mia mo nun se po' affacciare;
Io cchiu' nun passarraggio da sta strata;
Vaco a lo camposanto a passiare

Nzino a lo jurno che la morte 'ngrata
Mme face nenna mia ire a truvare.

Nzino a lo jurno che la morte 'ngrata
Mme face nenna mia ire a truvare.


Complemento em altri verzioni

- Cara sorella mia, che me dicite?
Cara sorella mia che me contate?
"Guarde 'ncielo si nun me credire.,"
"Purzi' li stelle stanno appassiunate."
"E' morta nenna vosta, ah, si chiagnite,
"Ca quanto v'aggio ditto e' beritate!

"Jate a la Chiesia e la vedite pure,
"Aprite lo tavuto e che trovate ?
"Da chella vocca che n'asceano sciure
"Mo n'esceno li vierme, oh che piatate!
"Zi' Parrocchiano mio, tienece cure,
"Le llampe sempre tienece allummate!".

Ah! nenna mia, si' morta, puvurella!
Chill'uocchie chiuse nun l'arape maje!
Ma ancora all'uocchie mieje tu para bella
Ca sempe t'aggio amata
e mmo cchiu' assaje!
Potesse a lo mmacaro mori' priesto
E m'atterrasse a lato a tte, nennella!


Italiano

Finestra che luccicavi ed ora non luccichi…
è segno che la mia donna è malata…
Si affaccia la sorella e mi dice:
La tua donna è morta ed è già seppellita…

Piangeva sempre che dormiva sola,
ora dorme in compagnia dei morti…

Vai nella chiesa, e scopri la bara:
vedi com'è ritornata la tua donna…
Da quella bocca uscivano i fiori,
ora ne escono vermi.. Oh, che pietà!

O sacerdote, abbi cura di lei:
tienici sempre una fiammella accesa…

Addio finestra, resterai chiusa
perché ora la mia donna
non si può affacciare…
Io non passerò più per questa strada:
vado a passeggiare al cimitero!

Fino al giorno che la morte ingrata,
mi farà andare a ritrovare la mia donna!…


FENESTE CHE LUCIVE
( aproximadamente 1.500 )
Letra - Autor (provável) Vincenzo Vernagallo
Música - provavelmente Rossini ou Bellini
Intérprete: Enrico Caruso ( Gravado em 1913 )

Português

Conta-se que esta letra tem sua
origem nos anos de 1.500, na Sicilia,
quando na cidade de Carini, o duque
daquele lugar, um tal
Vincenzo De Grua Talamanca,matou
com dois golpes sua filha.

O seu namorado, um tal Vincenzo
Vernagallo, não a encontrou, e
cantou em siciliano os versos,
que depois, não se sabe como,
chegaram em Nápoles e foram
transcritos e reinterpretados
em um "periódico", impresso
em uma pequena tipografia.

No entanto, o texto da música
parece-nos mais falar de um pai
lamentando sua filhinha que
adoeceu e morreu, estando ele
ausente.

A musica em algumas teses é
creditada a Rossini ou a
Bellini, pelas características da melodia.

VOCABULÁRIO (Napolitano / Português)
Nenna: Feminino de nenê.
Forma de tratamento carinhoso,
aplicado a crianças e também
a adultos.
Alguns estudiosos da língua
napolitana acham o termo
aplica-se a uma amante.
A segunda estrofe, que fala
que Nenna chorava quando dormia
sozinha, dá a entender que se
tratava de uma criança mesmo.
Nennella: Nenezinha.
Affacciare: Olhar para fora;
Mirar; Posto face a face;
Aterrata: Sepultada
Lampa: Lume funeral - Velas
Nzerrata: Fechada
Tavuto: Caixão de defunto
Escomio: desdita, infelicidade.
Assaje: muito.

Português

Janela ( olhos ) que brilhava e já não brilha
Sinal é que minha nena(fem. nenê) está doente.
Me olhou (encarou) sua irmã e me falou
Tua nenezinha está morta e sepultada

Chorava sempre porque dormia sozinha
Agora dorme com os mortos acompanhada

Chorava sempre porque dormia sozinha
Agora dorme com os mortos acompanhada

Adeus janela, ficaste fechada
que a nena minha não pode mais ver
Eu mais não passarei por esta estrada
vou ao cemitério passear

Até o dia que a morte ingrata
me faça pequena minha encontrar

Até o dia que a morte ingrata
me faça pequena minha encontrar


Complemento em outras versões

Querida irmã minha, que me dissestes?
Querida irmã minha, que me contaste?
Ollhe o céu, se não me acreditar
observe (cheire) as estrelas estão apaixonadas
está morta a sua nena, ah si chorasse,
aqui, quando nos tem dito, é terminado.

Vai a igreja e a veja bem
abra o caixão, e o que achaste?
Daquela boca que nasciam flôres
Agora nascem os vermes, oh que pena!
Pároco meu, tenha cuidado
As velas sempre as tenha acesas!

Ah! Nenna minha, está morta, pobrezinha.
Aqueles olhos fechados, não abrem nunca!
mas ainda, aos olhos meus tu és bela.
Sempre tens sido amada
aos meus olhos, muito!
pudesse, quiçá, morrer logo
e me sepultar ao teu lado, Nenninha.


Português

Janela que luzia e agora não luze.
é sinal que a minha namorada está doente
encarou-me a irmã, e me disse:
A tua namorada está morta e já sepultada.

Chorava sempre que dormia sozinha.
agora dorme em compania dos mortos...

Vai na igreja, e abre o caixão:
veja como retornou a sua namorada...
daquela boca saiam as flôres,
agora, nascem vermes. Oh, que pena!

Ó sacerdote, cuida dela
mantenha sempre uma vela acesa...

Adeus janela, ficarás fechada
porque agora a minha namorada
não se pode olhar
Eu não passarei munca por esta estrada:
vou a passear no cemitério!

Até o dia que a morte ingrata,
me fará ir a reencontrar a minha namorada...



MUSICA PROIBITA - 1881
Autor: Stanislao Gastaldon
Interprete: ENRICO CARUSO

Italiano

Ogni sera di sotto al mio balcone
sento cantare una canzon d'amore.
Più volte la ripete un bel garzone
e battere mi sento forte il core.
e battere mi sento forte il cor.

Oh, quanto è bella quella melodia.
Oh, quanto è dulce, quanto m' è gradita.
Ch'io la canti non vuol la mamma mia,
vorrei saper perchè me l'ha proibita.

Ella non c'è ed io la vo' cantar
la frase che m'ha fatto palpitare:

Vorrei baciare i tuoi capelli neri,
le labbra tue e gli occhi tuoi sinceri.
Vorrei morir con te, angel di Dio,
o bella innamorata, tesor mio.

Qui sotto il vidi ieri a passeggiare,
e lo sentivo al solito cantar:

Vorrei baciare i tuoi capelli neri,
le labbra tue e gli occhi tuoi sereni.
Stringimi, oh cara, stringimi al tuo core,
fammi sentir l'ebbrezza dell'amor.


MUSICA PROIBITA - 1881
Autor: Stanislao Gastaldon
Intérprete: Enrico Caruso

Portugues

Cada noite sob o meu balcão
ouço cantar uma canção de amor.
Mais vezes a repete um belo moço
e bater sinto forte o coração.
E bater sinto forte o coração.

Oh, quanto é bela aquela melodia.
Oh, quanto é doce, quanto me agrada.
Não quer que eu a cante a minha mãe,
queria saber porque a proibiu.

Ela não está e eu vou cantar
a frase que me fez palpitar:

Queria beijar os teus cabelos negros,
os lábios teus e os olhos teus sinceros.
Queria morrer contigo, anjo de Deus,
o bela namorada, tesouro meu.

Aqui em baixo o vi ontem a passear,
e o ouvia como sempre cantar:

Queria beijar os teus cabelos negros,
os lábios teus e os olhos teus serenos.
Aperta-me, oh querida, aperta-me no teu coração,
faz-me sentir o êxtase (embriaguês) do amor.



O SOLE MIO - 1898

Autor: G. Capurro e E. Di Cápua
Intérprete: Enrico Caruso

Napolitano

Che bella cosa na jurnata 'e sole,
n'aria serena doppo na tempesta.
Pe' ll'aria fresca pare giá na festa,
che bella cosa na jurnata 'e sole.

Ma n'atu sole
cchiù bello, oje né,
'o sole mio,
sta 'nfronte a te...
'O sole,
'o sole mio,
sta 'nfronte a te,
sta 'nfronte a te.

Quanno fa notte e 'o sole se ne scenne,
mme vène quase na malincunia.
Sott''a fenesta toja restarría,
quanno fa notte e 'o sole se ne scenne.

Ma n'atu sole
cchiù bello, oje né,
'o sole mio,
sta 'nfronte a te...
'O sole,
'o sole mio,
sta 'nfronte a te,
sta 'nfronte a te.


O SOLE MIO - 1898

Autor: G. Capurro e E. Di Cápua
Intérprete: Enrico Caruso

Portugues

Que bela coisa uma jornada ao sol,
um ar sereno depois da tempestade.
Pelo ar fresco parece já uma festa,
Que bela coisa uma jornada ao sol.

Mas um outro sol
mais belo, oh nena (garota),
o meu sol,
está na sua frente...
O sol,
o meu sol,
está na sua frente,
está na sua frente.

Quando faz-se noite e o sol deita-se,
me pega quase uma melancolia.
Sob a janela sua eu ficaria,
quando desce a noite e o sol deita-se.

Mas um outro sol
mais belo, oh nena (garota),
o meu sol,
está na sua frente...
O sol,
o meu sol,
está na sua frente,
está na sua frente



TU CA NUN CHIAGNE - 1915

Autori - Bovio e De Curtis
Intérprete: Enrico Caruso

Dialeto napolitano

Comm'è bella 'a muntagna stanotte,
Bella accussí, nun ll'aggio vista maje!
N'ánema pare, rassignata e stanca,
Sott''a cuperta 'e chesta luna janca.

Tu ca nun chiagne e chiágnere mme faje,
Tu, stanotte, addó' staje?
Voglio a te!
Voglio a te!
Chist'uocchie te vonno,
N'ata vota, vedé!

Comm'è calma 'a muntagna stanotte,
Cchiù calma 'e mo, nun ll'aggio vista maje!
E tutto dorme, tutto dorme o more,
E i' sulo veglio, pecché veglia ammore.

Tu ca nun chiagne e chiágnere mme faje,
Tu, stanotte, addó' staje?
Voglio a te!
Voglio a te!
Chist'uocchie te vonno,
N'ata vota, vedé!


TU CA NUN CHIAGNE - 1915

Autori - Bovio e De Curtis
Intérprete: Enrico Caruso

Portugues

Como é bela a montanha esta noite,
Bela assim não a tenho visto nunca!
Na alma parece, resignada e cansada,
Sob a coberta desta lua branca.

Tu que não choras e chorar me faz,
Tu, esta noite, onde estás?
Quero-te!
Quero-te!
Estes olhos querem,
Outra vez, ver-te!

Como é calma a montanha esta noite,
Mais calma que agora, não a tenho visto nunca!
E tudo dorme, tudo dorme ou morre,
E eu só acordado, porque vivo é o amor.

Tú que não choras e chorar me faz,
Tu, esta noite, onde estás?
Quero-te!
Quero-te!
Estes olhos querem,
Outra vez, ver você!



VIENE SUL MAR
( Anterior a 1900 )

Autor: Giovanni Battista Califano
Intérprete: Enrico Caruso

Dialeto napolitano

Deh, ti desta, fanciulla, la luna
spande un raggio sì caro sul mar;
vieni meco, t'aspetta la bruna,
fida barca del tuo marinar.

Ma tu dormi, e non pensi al tuo fido, (fidanzatto)
ma non dorme chi vive d'amor;
io la notte a te volo sul lido,
ed il giorno a te volo col cor!

Vieni sul mar,
vieni a vogar,
sentirai l'ebbrezza
del tuo marinar!

Addio, dunque, riposa e domani,
quando l'alba a svegliarti verrà,
sopra lidi lontani lontani,
l'infelice nocchiero sarà.

Ma tu dormi, e non pensi al tuo fido, (fidanzatto)
ma non dorme chi vive d'amor;
io la notte a te volo sul lido,
ed il giorno a te volo col cor!

Vieni sul mar,
vieni a vogar,
sentirai l'ebbrezza
del tuo marinar!

Da quel giorno che t'ho conosciuta,
o fanciulla di questo mio cor,
speme o pace per te ho perduto,
perché t'amo d'un immenso amor.

Fra le belle tu sei la più bella,
fra le rose tu sei la più fin;
tu del cielo sei brillante mia stella
ed in terra divina beltà.

Vieni sul mar,
vieni a vogar,
sentirai l'ebbrezza
del tuo marinar!

Vieni sul mar,
vieni a vogar,
sentirai l'ebbrezza
del tuo marinar!


VIENE SUL MAR
( Anterior a 1900 )

Autor: Giovanni Battista Califano
Intérprete: Enrico Caruso

Portugues

Vai, acorde menina, a lua
Estende um raio assim caro sobre o mar,
Vem a mim, te espera a escura
enamorada barca do teu marinheiro.

Mas tu dormes, e não pensas ao teu namorado,
Mas não dorme quem vive de amor.
Eu de noite vôo até ti na praia
E de dia vôo até ti com o coração.

Vem ao mar,
Vem a vogar,
Sentirás a inebriança
Do teu marinheiro.

Adeus portanto, descanse, e amanha
Quando o alvorecer a acordar-te virá,
Em lugares distantes distantes
O infeliz timoneiro será.

Mas tu dormes, e não pensas ao teu namorado,
Mas não dorme quem vive de amor.
Eu de noite vôo até ti na praia
E de dia vôo até ti com o coração.

Vem ao mar,
Vem a vogar,
Sentirás o inebriança
Do teu marinheiro.

Desde aquele dia que te conheci,
Oh garota deste meu coração,
Esperança e paz por ti perdi
Porque te amo de um imenso amor.

Entre as belas tu és a mais bela,
Entre as rosas tu és a mais delicada,
Tu do céu és brilhante minha estrela
E na terra és beleza divina.

Vem ao mar,
Vem a vogar,
Sentirás a êxtase
Do teu marinheiro.

Vem ao mar,
Vem a vogar,
Sentirás a êxtase
Do teu marinheiro.